Problemas de coluna são queixas muito frequentes em grande parte das pessoas e os incômodos gerados costumam ser bastante persistentes. Entre as doenças mais comuns, está a escoliose, que afeta diretamente o formato da coluna vertebral e está presente em 3% da população em geral. Mas você sabe o que é, exatamente, essa doença? Quais os sintomas e modos de tratar? O post de hoje traz todas as informações que você precisa saber sobre a escoliose!

O que é a escoliose?

Nossa coluna vertebral tem seu próprio eixo que, com a escoliose, pode se deformar nas 4 direções possíveis: para frente, para trás, para a esquerda e para a direita. Essa torção é medida em graus e determina o quão grave é o problema, variando de 0º a 50º . Há 3 tipos principais de escoliose:

Idiopática

É o tipo de escoliose mais comum entre as pessoas, afetando cerca de 70% dos casos, em maioria adolescentes. Tem causa desconhecida, mas tende a se manifestar em membros da mesma família, evidenciando uma possível origem por fatores genéticos. Alguns casos evoluem mais do que outros, mas este também é um detalhe sem motivo descoberto.

Congênita

É a variação da escoliose causada, principalmente, por má formação e desenvolvimento das vértebras, causando anomalias na estrutura da coluna. Identificada desde o nascimento, a escoliose congênita apresenta 2 tipos diferentes: a falha de formação e a falha de segmentação. A primeira se trata dos casos em que parte da vértebra não se desenvolve corretamente; já a segunda está relacionada aos casos em que uma vértebra não se separa da outra, como deveria, durante o desenvolvimento. Ambos os tipos podem apresentar graus e gravidades variados.

Neuromuscular

A escoliose neuromuscular é geralmente causada em decorrência de doenças neurológicas e  musculares; paralisia cerebral, poliomielite, mielomeningocele, trauma de medula e distrofia muscular são alguns dos exemplos que problemas que podem ocasionar o desenvolvimento da escoliose neuromuscular, que está condicionado ao crescimento da criança.

Como o diagnóstico é feito?

É importante ressaltar que quanto antes o problema for detectado, mais eficaz é o tratamento da doença. Um ortopedista ou mesmo um especialista em coluna poderão avaliar a situação através de exercícios e exames de imagem, mas alguns aspectos físicos podem denunciar o problema:

  1. Um lado do corpo mais alto do que o outro: quando um ombro ou um lado do quadril estão desalinhados, aparentando um lado estar mais alto do que o outro.
  2. Uma perna aparenta estar menor do que a outra: quando parece haver diferenças entre a altura de uma das pernas, causando problemas sutis de equilíbrio e mancada.

Como é o tratamento

O tratamento para os problemas de escoliose tende a variar de acordo com o grau de gravidade do problema e com quanto o paciente ainda deve crescer. Os principais métodos utilizados se baseiam no uso de coletes corretivos, na prática de atividades físicas e, nos casos de curvatura mais grave, cirurgia.

O pilates no tratamento da escoliose

O pilates é uma prática muito procurada pela eficiência quando o assunto são os problemas da escoliose. Os movimentos trabalham o corpo todo e proporcionam resultados muito positivos na correção de posturas anormais.

Antes do início de qualquer aula, é feita uma avaliação postural para a elaboração de uma série de exercícios personalizada de acordo com as necessidades de cada aluno; assim, os movimentos são pontualmente aplicados, o que faz do pilates uma atividade tão eficiente. Além disso, o trabalho no fortalecimento e alongamento do corpo, bem como no equilíbrio do aluno, são algumas das vantagens que influenciarão no alinhamento vertebral; o trabalho na flexibilidade do corpo também ajuda a aliviar o desconforto e a impedir que a doença fique mais grave, considerando que músculos mais flexíveis atuam reduzindo tensões musculares.

Quer saber mais sobre como os exercícios físicos podem ajudar a ter uma vida mais saudável?

melhor horário exercitar

4 dicas para evitar dores musculares